02/08/2007

As Várias Faces de Jackie S. - Face 1: A Daltônica

Jackie S. está em cima do mundo embriagada de tanto rodopiar, os pés dormentes de tanto soltar a voz enquanto repete o solo de air guitar que a fez vencedora de um concurso em Xangai, lá pelos idos de um tempo atrás. Jackie S. pintou as unhas de verde mas pensa que as unhas estão vermelhas, quando na verdade estão vermelhas as suas vergonhas, que vão sendo esfregadas na cara do mundo enquanto as pessoas, tantas pessoas, tantas pessoas, tantas pessoas, tantas e tantas e tantas, insistem em balançar os olhos em direção aos próprios pés enquanto jogam aos céus seus lamentos e balbuciam entredentes seus pudores, e sufocam com edredons encardidos sua lascívia e caminham saltitantes por sobre um vale seco de lágrimas adoçadas com geléia de amora. Jackie S. tem os olhos nublados e, por isso, enxerga pouco. E, por enxergar pouco, enxerga longe. E, por enxergar longe, enxerga para dentro, e por enxergar para dentro e talvez nem mesmo por isso mesmo (quem é que pode afirmar com convicção?), não sabe bem o que vê. A não ser que seu coração é estranhamente verde. Vai ver é por isso que nunca sente paixão por ninguém desde que abandonou o cigarro porque ele manchava seus dedos de azul (e azul não é cor que se tenha nos dedos já que, assim, corre-se um grande risco de que sejam perdidos em meio a cabelos cacheados).

* p.s.: Jackie S nao é uma personagem nova. Já rodou um bocado por aí. Mas eu gosto dela.

2 comentários:

moacircaetano disse...

Não a conheço ainda, mas já gostei!

Renata disse...

Ah! Saudades de Jack S...

saí do mundo-estranho, Andre, to no wordpress. Vou deixar o link aí para você.